23.11.06

Câmara aprova aumento de bolsa para médicos residentes

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira o projeto de lei 7.561/2006 que dá aumento de 30% aos médicos residentes do país. Entre o dia 8 e o dia 14 deste mês, residentes de todo o país entraram em greve e protestaram pelo aumento da bolsa.

O projeto, de autoria do poder Executivo, aumenta de cerca de R$ 1.460 para R$ 1.916 a bolsa dos médicos, reajuste de aproximadamente 30%.

Durante a paralisação, os residentes pediam 53% de aumento além de melhores condições de trabalho, índice referente às perdas geradas pela inflação desde 2002.

O projeto deve ir para votação no Senado.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Enquanto isto, os estudantes de pós-graduação (CAPES e CNPq) continuam com suas bolsas no mesmo valor......

5 Comments:

At 23/11/06 22:02, Anonymous Carlos Machado said...

Bom, não sou médico, muito menos residente, mas eu acho que a pessoa que postou essa msg no blog de vcs deveria procurar se informar mais antes de tercer certos comentários. Em primeiro lugar, acho que ele não sabe q a jornada de trabalho de uma médico residente é de 60h semanais, isto mesmo, eles têm q passar 60h por semana trabalhando em um hospital residência, ganhando apenas 1.460,00, antes desse aumento, para isso. Qual o trabalhador que estaria sastifeito com isso? Era realmente muito pouco. Além disso, eles lidam constantemente com o caos do nossos sistema público de saúde, no qual em muitas ocasiões não se pode realizar certos procedimentos por falta de matérias por vezes básicos, como gases, remédios, etc.
Além disso, gostaria de ressaltar que diminuir ou desmerecer uma conquista de uma classe é muita falta de ética. Deve-se sim, espelhar-se em uma conquista e instigar seus companheiros de classe para conseguirem conquistas iguais ou superiores às referendadas. E depois, se eu não me falha a memória, esse ano os bolsistas capes receberan reajuste, embora em menor proporção.

 
At 24/11/06 09:09, Blogger Wanderson Wanzeller said...

Tambem não sou médico e entendo o problema que os resitentes passam. Longas jornadas de trabalho realmente é algo que acaba com qualquer um.

Se um pesquisador tem a itensão de fazer uma pós-grad stricto-sensu em um local sério, seguramente ele também terá que cumprir uma jornada de 60 horas semanais (ou mais) fazendo seus estudos e lhe tando com um nível de stress muito parecido com os dos médicos residendes, que sem dúvida merecem este almento, mesmo sendo apenas graduados.

O que me parece errado é que somente a classe médica recebe o devido respeito pelos políticos. Enquanto eles guanham R$ 1.916.00 (merecidamente) para fazer sua residência (o que sabiam desde o início da graduação, sua existência) um estudante com mestrado stricto-sensu recebe uma bolsa do governo federal de R$ 1.394,00 para fazer seu doutorado stricto-sensu. Na minha opinião a etica faltante é da classe política deste país. O almento das bolsas CAPES e CNPq receebido ano passado foi de 18%.

Infelizmente, não podemos fazer greves. Se isto ocorrer basta o orientador entrar em contado com os coordenadores da pós-grad e nossas bolsas são cancelads imediatamente. Fazer pesquisa no Brasil é algo muito dificil...

Todas as postagens do blog estão sujeitas à críticas, no entanto, pede-se um pouco de atenção com os fatos. Não basta ler a noticia, tem que conhecer os fatos e se possível viver a situação.

 
At 27/11/06 10:39, Anonymous Carlos Machado said...

Caro, Wanderson.
Conheço bem o mundo da pesquisa, pq já trabalhei nele antes de estar definitivamente empregado. Costumo constantemente ler o blog de vcs, mas acho que alguns post q eu vejo sendo colocado aqui fogem ao o q se espera de um blog na área de física. Da mesma forma que vc está pedindo q se conheçam os fatos antes de se fazer os comentários, eu, na qualidade de leitor , também peço que os colaboradores vejam os fatos e conheçam as situações antes de fazer suas postagens.
Achei que frequentando um blog de física, teria acesso à informações como a do texto "Física promete energia sem fios" ou "Uma estranha forma de ver o mundo: Colunista mostra como a mecânica quântica ajudou a entender o comportamento da luz e do átomo " ou ainda "Por que São Paulo ainda não aderiu??". Acho que essas foram as matérias mais interessantes que vcs postaram nos ultimos tempos, e o legal mesmo é pq um leigo consegue entender bem a função da física nessas postagens. Com estes tipos de reportagem, vcs estão EXPANDINDO a física p todas as pessoas que acesam o blog diariamente.Mas será que entrando em atrito com a classe X, Y ou Z por algo q eles conseguiram vcs vão conseguir essa expansão ou aceitação?
Para se fazer respeitar, independente do tipo de profissão que um profissional pratique, ele deve mostrar a importância do seu trabalho ao mundo, e achava q vcs tinham este blog com este intuito.
E depois, meu caro, há outras maneiras de se protestar sem fazer greve. Afinal, vcs fazem parte da elite verdadeiramente pensante deste país.Por que não exortam todos os bolsistas a enviarem e-mails p a Capes e CNPQ pedindo melhorias? Mostrem o quanto produzem em papers e q o dinheiro q vcs recebem deveria ser mais devido a isso, sem precisar dizer frasezinhas de criança tipo:"Vcs deram a eles e não deram a gente!".
Quando estamos descontentes com algo corremos atrás do prejuízo para tentar mudá-lo. Ao meu ver, a melhor maneira de correr atrás deste prejuízo é mostrando serviço. E isso eu sei que verdadeiros pesquisadores têm de sobra!

 
At 29/11/06 14:12, Anonymous Julio Marny said...

Permitam-me uma pequena intromissão nesta caturra. Primeiramente o aumento do salário dos nossos residentes é lícito e aliás deveria até mesmo ser maior, isso é fato. Outro fato entretanto é que o bolsista de pós-graduação stricto-sensu ganha mal sim! Até aqui todos concordamos.
O que me parece dispar aqui é o fato de que a classe médica consegue, seja por meio de melhor articulação política ou por tradição de uma classe corporativista, benefícios que a classe acadêmica não consegue.
Temos, nós cientístas, nossa parcela de culpa por falta, por exemplo, de uma divulgação ampla e sistemática de nosso próprio trabalho. Mas convenhamos que não é lá muito fácil realizar uma articulação efetiva em um país que relega a pesquisa acadêmica a segundo (terceiro, quarto, ...) plano e gasta, por exemplo, um terço da verba do programa espacial com uma pessoa para olhar broto de feijão no espaço.
Temos culpa? Sim, mas não somos os únicos.

 
At 30/11/06 21:48, Anonymous Fred Soares said...

Prezado Wanderson,
aconselho o Senhor procurar um curso de gramática básica da língua portuguesa para evitar escrever com tantos erros um texto com poucas linhas.
Recomendo também que ao menos leia o texto antes de publicar, assim encontrará possíveis enganos.
Não se admite uma pessoa que me parece estar numa pós-graduação numa instituição tão renomada e se propõe a escrever num blog comenter erros pedestres de escrita da sua língua nativa.

 

Postar um comentário

<< Home