7.3.07

mensagem enviada para mim por

Carolina Brito <carolina.brito at ufrgs.br>


Demétrio Weber BRASÍLIA. O governo quer combater a chamada fuga de cérebros criando um programa para manter no país doutores recémformados. A idéia é oferecer bolsas de R$ 3.300 por mês, que poderiam ser complementadas por empresas, centros de pesquisa ou instituições de ensino interessados em contratar os serviços do profissional. A medida poderá fazer parte do pacote educacional que o ministro da Educação, Fernando Haddad, apresentará nesta segundafeira ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O Brasil formou dez mil doutores no ano passado. O problema é que parte deles não consegue emprego à altura de sua qualificação. Caso seja criado, o chamado Plano Nacional de Pós-Doutorado poderia abrir até mil vagas por ano.
Cada contrato teria duração de cinco anos, tempo suficiente para o doutor desenvolver um projeto de pesquisa e encontrar um lugar no mercado de trabalho.

? Não basta a gente formar, é preciso absorver ? diz o presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Jorge Guimarães.

O Ministério da Educação deverá somar esforços com o Ministério da Ciência e Tecnologia. A idéia é que a Capes, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep)
e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) selecionem projetos apresentados pelos doutores, em parceria com uma universidade, uma empresa, uma fundação estadual de amparo à pesquisa ou um centro científico.

Além da bolsa de R$ 3.300, o governo daria uma ajuda inicial de cerca de R$ 1.200 para cada pesquisador, o chamado enxoval.

Caso a meta de conceder mil bolsas por ano seja atingida, o custo ficaria em cerca de R$ 41 milhões por ano.

1 Comments:

At 14/3/07 10:29, Anonymous Andre said...

possiveis consequencias da medida:
1)os projetos de pesquisa dos pos-docs ganharao em qualidade, pois 5 anos, ao inves do pifio 1 ano atual, eh tempo suficiente para planejar e executar trabalhos de muito mais interesse. A forma como estah agora, um ano, com uma eventual renovacao longe de ser automatica, a posicao de pos-doc vira apenas um tapa buraco, enqto o doutor aguarda uma posicao permanente em universidade. O projeto tematico da fapesp, que permite 4 anos, foi um grande passo no aumento da seriedade com que o pos-doc deve ser tratado.

2)universidade de menos renome, que estavam recebendo pos-doc ansiosos para poderem fazer logo pesquisa de longo prazo, perderao essa fonte de talentos.

 

Postar um comentário

<< Home