28.10.05

Faltam perguntas


Frase ouvida hoje na entrada do IFT, ao se verificar que o portão da frente ainda estava fechado às 8:30 da manhã: "Ué, hoje é feriado?". Típico. Pois era feriado sim, dia do funcionário público. Mesmo assim, havia bastante gente no IFT. Não conheço muitas outras profissões nas quais seus membros vão trabalhar num feriado em sua homenagem, e numa sexta-feira (humm.. talvez padres).

Bom, mas havia uma razão especial também: à tarde falaria o ilustre professor Roberto Salmeron, da École Politéchnique de Paris. E não é toda hora que ele pode dar uma canjinha. Às 14 horas o anfiteatro estava praticamente lotado! Estudantes e professores. Ah, claro, e pós-docs, que também são filhos de Deus :)

Salmeron, um senhor de 80 anos e de entusiasmo jovial, apresentou seminário sobre algumas questões ainda em aberto no Modelo Padrão. Bastante bem apresentado. Infelizmente, muitas das perguntas foram daquele tipo que faz a gente pensar "nossa, tá faltando pergunta nessa área": por que 6 quarks, por que 3 cores, de onde vem a carga elétrica, etc. Nada do tipo: medimos tal quantidade, mas nossas teorias predizem um valor muito diferente para ela. Ou então: era para este fenômeno existir nesta região de acordo com nosso modelo, porém não apareceu nada.

Aliás, justamente sobre este ponto Salmeron expressou algo que está entalado na garganta de muito físico de partículas: "Eu não gostaria que descobrissem o bóson de Higgs no LHC". Bóson de Higgs é a peça faltante do Modelo Padrão; há trinta anos os físicos de partículas praticamente só vêm checando as previsões dessa teoria. Os físicos em geral vão para a área de partículas devido a perspectivas de encontrar novas leis fundamentais, fenômenos inesperados; ficar verificando teoria alheia, com experimentos que insistem em não violá-la, não tem tanta graça. Seria muito bom para os físicos de partículas se o Higgs não aparecesse no novo mega-acelerador. Está todo mundo jogando olho gordo no Nobel do Peter Higgs.

Depois Salmeron falou um pouco de sua conturbada carreira profissional: sua formação na Politécnica, o encontro com os grandes mestres da Física da USP, as idas e vindas a universidades brasileiras, seu trabalho no CERN e na Politéchnique. No final ainda afirmou, enfaticamente, que se hoje fosse um estudante brasileiro em começo de pós-graduação, indubitavelmente escolheria física de partículas novamente. Uma figura impressionante.

8 Comments:

At 28/10/05 20:12, Anonymous Alysson said...

Ouvi o Salmeron falar só uma vez, acho, lá no IFUFRGS. Realmente tem presenca, é um ótimo palestrante. Na ocasião, acho, ele deu uma palestra bem pessoal, reminiscências da física brasileira, acho era aniversário do IFUFRGS ou coisa assim...

Quanto ao Higgs, de fato o pessoal menciona que o "nightmare scenario" seria eles descobrirem apenas o Higgs, exatamente na região do espaco de parâmetros que é prevista, *e nada mais*. Seria a maior decepcao. É de bater na madeira, e varias vezes!

A descoberta do Higgs acho que é mais ou menos esperada. A grande questão é o que de novo o LHC vai nos mostrar. Eu espero que eles descubram o tal Higgs mas que, "logo adiante", comecem a aparecer coisas das mais estranhas e esdrúxulas possíveis. Tipo, partículas novas, energia sumindo, coisas assim. Certamente vai motivar muito ter algum fenômeno novo, não explicado.

Nos últimos anos, as elocubracões teóricas andam milhares de anos luz à frente de onde os experimentais, mesmo com toda sua perspicácia, conseguem chegar. Eu adoraria ver essa balanca pendendo um pouco para o outro lado...

 
At 30/10/05 18:06, Blogger Cássius said...

Pós-docs filhos de Deus? De qual Deus?? :D

 
At 1/11/05 17:00, Blogger Andre said...

Boa pergunta. Pois como pós-doutorado é uma fase de muita oração, talvez, para garantir, muitos pós-docs estejam acendendo vela para mais de um ser supremo. :P

 
At 3/11/05 07:59, Anonymous Rafael said...

Alguns comentários sobre a palestra do Prof. Salmeron. De fato, ele é uma figura intrigante. Seu papel para a construção da física de partículas no Brasil é inegável. Bem como o suporte quase paternalista que deu aos pós-graduandos brasileiros no exterior durante muitos anos.

Mas achei que a palestra dele fraquinha. As perguntas eram muito mal colocadas e no fim eu acho que tudo se resumia a "Por que no modelo padrão tem tantos parâmetros livres?". Mas claro que eu posso ter entendido errado.

Mas se eu tiver entendido certo, a crítica que ele fez como motivação para a palestra não cabe. Pois acho que não existe comunidade que mais trabalha para criar modelos com menos parâmetros livres do que o pessoal de Teoria de Campos e Partículas.

Eu também tendo a não concordar que não observar o higgs seria bom. Seria sim um grande desastre político. Pessoalmente, acho isso muito improvável, para não dizer impossível. Acho que o Higgs está lá (claro que posso estar errado de novo).

Cientificamente, o mais interessante são outros tópicos, sendo supersimetria um dos mais legais.

 
At 3/11/05 17:44, Blogger Andre said...

Acho que ele escolheu aquelas perguntas justamente pelo fato de que a "comunidade de teoria de campos e partículas não gosta de parâmetros livres". As questões do Salmeron eram na verdade reclamações :)

Quanto à descoberta ou não do Higgs: de fato, o worst case scenario seria não descobrir o Higgs, nem qualquer outra coisa exótica no regime de energia do LHC, prorrogando para um próximo mega-acelerador as verificações. Mas se isso acontecer com o LHC, duvido que voltem a dar grana tão cedo. Rezemos.

 
At 3/11/05 18:28, Blogger Clovis Maia said...

Baseado no post acima do Andre, uma colocacao: se entendi o que tenho ouvido dos fenomenologos, nao descobrir o Higgs na faixa de energia do LHC eh quase o mesmo que descarta-lo, pois muita coisa ficaria desinteressante se ele nao esta na faixa de energia que eles esperam. O mesmo dizem de supersimetria no modelo padrao. Soh estou repetindo o que ouvi deles...

 
At 3/11/05 19:00, Blogger Andre said...

Sim, com certeza a não detecção do Higgs no LHC seria em si um evento exótico, exigindo o descarte do mecanismo tradicional e uma nova busca pela verificação das teorias alternativas (que não conheço bem; ver Higgsless models). Se não aparecer mais nada de novo no LHC, a coisa fica prorrogada para o ILC (International Linear Collider), planejado para funcionar a partir de 2010, mas que ainda está no papel.

Já a supersimetria, mesmo não dando o ar de sua graça no LHC, ainda resiste, é mais flexível.

 
At 5/11/05 00:01, Blogger Cássius said...

Pessoas, sinceramente eu sou mais de concordar com o Salmeron: o mais interessante será se _não_ acharem o Higgs. De fato, se acharem o Higgs, sou capaz de colocar outras perguntas "curiosas" (no mesmo nível das "3 famílias" que o Salmeron fez). A pergunta é a seguinte: existem diversos tipos de partículas elementares de spin 1/2 (quarks, eletrons, etc.), existem várias partículas elementares de spin 1 (Z, W, A, etc), então porque só há 1 tipo de partícula elementar de spin 0 (o Higgs)?
Se o mecanismo de geração de massa for algo dinâmico, sem um Higgs, esse problema muda, mas também deixa de haver 1 campo "especial".

 

Postar um comentário

<< Home